terça-feira, dezembro 13, 2005

Informação (14.187)

Cervejaria Trindade
[187/2005]
Almoço da Igualdade


Dia 20 de Dezembro, pelas 13:00 horas, na Cervejaria Trindade, Lisboa.

Marcações:
Sede da Candidatura: 21 030 3700
ou
Ana Sara de Brito : 96 132 0527
Vai custar 25 Euros

1 Comments:

At 2:36 da tarde, Anonymous J. B. Figueiredo escreveu...

O Cavaquinho desafinado e o Lech Walesa Português.Cavaco e Francisco Louça, o debate.


O Cavaquinho desafinado e o Lech Walesa Português.Cavaco e Francisco Louça, o debate.



O revivalismo cavaquista e mais o seu patente obscurantismo politico em confronto com uma espécie de Lech Walesa Português , Francisco Louça.


Cavaco ostenta a sua postura de estadista trambiqueiro de direita, nada diz e pouco fez tal como a reflexologia politica em actualidade nos diz, com isto permanece como que pintado a óleo, esguio e inócuo, isto em termos de pertinente politica Presidencial, também , fundamento e, devidamente escarrapachado por um Francisco Louça afoito e determinado.



Cavaco vocifera, “ Portugal foi um modelo a seguir por essa Europa fora”.Louça diz, a conjuntura petrolífera foi mal aproveitada por Cavaco…vejam bem…e, em 1994 assistiu-se a uma grande recessão Cavaquista retorqui Francisco Louçã.




Cavaco na sua essência constitui e representa o apêndice de Sá carneiro, este, Cavaco, não chega nem por sombras aos calcanhares de Sá Carneiro nem tão pouco de Freitas do Amaral, o lúcido resvalante da Esquerda.



Francisco Louça contem uma abnegação politica digna de se louvar, como já afirmei trata-se de um corredor de fundo politico que também espera-se, venha a ter a visão de eventualmente abdicar em proveito de Manuel Alegre tal como nos indica a conjuntura pertinente e adjacente a esquerda potenciando este a personalização e solidificação conceptual e de raízes genuinamente de esquerda e do seu Partido na medida em que o afecto ou o imediato de conjuntura ou até a simpatia genuína, oportuna e devida se revela na preponderância da acção efectiva de também Líder Partidário desbravando também a politica materializavel pura e dura, também do “seu” Bloco de Esquerda criando e fomentando como será entendivel e proporcional ao ensejo próprio, a solidificação e combate ao abstraccionismo divisionista lacónico de esquerda.



Francisco Louça e mais a sua aversão a gravatas, nada disso constitui um factor de julgamento ou sequer atravancante e nos remete para um Portuguesismo tipo Lech Walesa a Portuguesa , o grande despelotante de no passado quase recente ser reminiscente da classe operaria no seu formato neo-retro-pertinento-classico.Aos olhos dos Portugueses Louçã carrega uma entrega e fundamento partidário bem superior as estruturas do partido que este supostamente dirige e representa.Louçã com uma gravata será igual a Ramalho Eanes a civil?Que” Gedansk” de esquerda pretende Louça Libertar se não a genuinidade da compensação e equilíbrio emanada através da Candidatura de Alegre traduzindo-se isso em um investimento coerente para a esquerda e para o seu partido?...Será uma gravata com uma foice e martelo?...ou será uma gravata com “percebes”.




O fardo da parca reciclagem de uma certa genealogia de esquerda mal resolvida ainda pervalece.È claro que Louçã terá de proporcionalmente elevar o nível de filtragem do seu partido em matéria de “tendas da atalaia proletárias de catecismo comunista (imarcescível)?”Porquê?Porque este mesmo com a roulote partidária "atrás" em forma de back up de campanha e ainda que apartidário necessita de uma infinita legitimização da genuinamente esquerda esclarecida e actual, aquela esquerda que no centro da dita se emerge da oportuna e não desnecessária protecção das minorias e da paridade eventualmente com laivos pertinentes e quase hiperactivos de legislação.




Se assistiu a um debate mais emotivo do que seria de esperar, também devido a qualidade benignamente provocatória dos jornalistas e tendo em conta ao fundamento do discurso esquerda direita embora continue a dizer que a emancipação a este proto-arquetipo (esquerda versus-direita) se traduz na compreensão reciclada generalizada do mesmo, a excepção de quando Manuel Alegre intervêm e que nos revelando uma extrema e esclarecedora concreta ancestralidade futura, plena de fecunda portugalidade pertinente aos nossos dias de Nação.




Cavaco mostra um distanciamento preocupante quando confrontando com o que se passou na década de 90 bem como nas questões de fundo dignas de registo e de Nacional reflexão.



Jorge Batista de Figueiredo

 

Enviar um comentário

<< Home