terça-feira, janeiro 10, 2006

Excertos (139.015/6)

[015/2006]
Passados e oportunismos

(...)
Dá-se o caso que Manuel Alegre tem muito mais autoridade e propriedade de falar das fugas de Dias Lourenço e de Cunhal que Jerónimo, ao evocar o triste papel das masmorras de Peniche. [Manuel Alegre e outros combatentes contra o fascismo que foram, nunca foram ou foram e deixaram de ser comunistas.] Porque, enquanto Jerónimo descobriu a luta contra o fascismo quando já não havia fascismo, descobriu a luta pela liberdade quando já havia a liberdade, descobriu a luta pela democracia quando já havia democracia, enquanto Jerónimo aprendia dança de salão e afinava a garganta a cantar fados, Manuel Alegre era camarada de partido de Dias Lourenço e de Cunhal, partilhando com eles a luta e os riscos, Manuel Alegre era combatente clandestino, era prisioneiro, era exilado.
(...)
(
leia o texto completo)
João Tunes
Blog Água Lisa

2 Comments:

At 6:41 da tarde, Blogger Reporter escreveu...

O acto de Manuel Alegre enervou Jerónimo. Não estivessemos em campanha eleitoral e Jerónimo teria elogiado a que seria, então, apelidada atitude corajosa de Alegre.

 
At 7:54 da tarde, Blogger Graza escreveu...

Vês, Jerónimo?! Mais valia estares calado...e apontar baterias para outro lado. Ou também foi falha de pontaria?

 

Enviar um comentário

<< Home